A Castanha do Pará

Conheça os produtos de uso diário que são radioativos

Publicidade

Considerada inofensiva e principalmente saudável, estas castanhas acabam liderando o ranking dos alimentos considerados radioativos, com índices elevados de potássio-40 e de rádio-266. O interessante de citar do alimento, é que estes componentes não ficam retidos em nosso corpo, dos alimentos consumidos certamente este é o mais radioativo.

As cervejas

Esta é uma das bebidas mais queridas dos brasileiros, que conta com o isótopo de potássio-40, que não torna a bebida exatamente algo radioativo. Mas a verdade é que os alimentos que possuem potássio apresentam este tipo de isótopo radioativo, e nem que seja em pequenas quantidades.

Os detectores de fumaça

Pelo menos 80% dos detectores de fumaça que são fabricados no mundo possuem isótopos radioativos, o amerício-24 por exemplo, é um emissor de partículas tanto alfa como beta. O maior problema deste elemento é que ele possui uma longa vida de 430 anos, e felizmente a presença deste isótopo acaba não representando riscos para a saúde humana, não ser que você queira comer um detector de fumaça.

As lâmpadas fluorescentes

Conheça os produtos de uso diário que são radioativos

Estes são itens que possuem uma pequena lâmpada cilíndrica de vidro com o chamado krypton-85, este composto que nada mais é do que um emissor de radiação. A partir disto, a meia-vida desse elemento é em torno de 10 anos, e você precisa se preocupar com ele apenas se a lâmpada quebras, apesar disto, mesmo a emissão de tóxicos nesta situação é bastante baixa.

Algumas pedras preciosas também são radioativas

O zircão por exemplo, se trata de um mineral naturalmente radioativo, e que é utilizado na confecção das joias. Além do zircão, algumas pedras preciosas acabam passando por processos de radiação para que possam ficar ainda mais brilhantes, dentre elas podemos citar o berilo, a turmalina e o topázio, além de alguns diamantes. Novamente a radiação destes objetos não é algo preocupante, mas é bastante bizarro se pensar que algumas pessoas os mantêm em contato com a pele por grandes períodos de tempo.