Colégio Web

Conheça o dinossauro encontrado que parece uma estátua

O dinossauro é tão bem preservado que parece uma estátua.

Publicidade

Em sua maioria, quando os paleontólogos encontram fósseis de dinossauros eles acabam se deparando com ovos, fragmentos de ossos e esqueletos em sua maioria incompletos. Afinal de contas estes animais foram extintos há milhares de anos,  por isso é um tanto raro pensar que alguém possa encontrar algum em perfeitas condições, mas isto aconteceu.

Conheça o dinossauro encontrado que parece uma estátua

A descoberta em 2011 no Canadá

A descoberta deste fóssil ocorreu no ano de 2011 em Alberta no Canadá, quando um operário de maquinário pesado no interior de uma mina começava a escavar um tipo de rocha estranha. Ele acabou dando uma olhada no material e desconfiou que talvez fosse algo importante, chamando assim seu supervisor.

Na verdade a rocha era um pequeno fragmento de pele fossilizada de um nodossauro, um dinossauro herbívoro que media em torno de 5 metros de comprimento, em torno de 1,7 metros de altura, e pesava mais de uma tonelada. O interessante é que este mineiro não encontrou apenas um fóssil por acaso, ele encontrou um animal de mais de 110 milhões de anos, entre os mais bem preservados já encontrados no mundo.

Conheça o dinossauro encontrado que parece uma estátua

O que torna a descoberta tão incrível, é que é possível ainda distinguir suas feições e detalhes de sua couraça. Além disto, este espécime é incrível pois ele é o dinossauro deste tipo mais antigo já descoberto representando assim um novo gênero de nodossauro. Este animal foi analisado e foi possível encontrar minúsculos fragmentos de pigmento vermelho, o que auxilia os cientistas a reconstrução da sua coloração original, e restos de pele fossilizada que cobriam seu crânio.

Acredita-se que ele tenha morrido próximo de um rio, e depois de sua carcaça começar a inchar em decomposição, ela foi levada pela água até o oceano, onde o animal afundou e a fossilização se iniciou. O exemplar foi estudado por seis anos, e os cientistas levaram 7 mil horas para o reparar, e agora ele irá se transformar na verdadeira estrela de uma nova exibição do museu de Alberta no Canadá.

Recomendados para você

Comentários

+ Artigos relacionados