Digite o que você quer buscar:  
Home » Trabalhos Escolares » Geografia » Construção do Espaço Norte » A Indústria na Amazônia
01/06/2012 10:07

A Indústria na Amazônia

Aumentar fontes para melhor leitura Diminuir fontes para melhor leitura

Minérios de Carajás – Para explorar e exportar os minérios de Carajás, foi montado, em 1979, o projeto Grande Carajás, que envolveu a delimitação da área, a construção de uma ferrovia entre a zona mineradora e o porto de Itaqui (Maranhão) para exportar os minérios e a instalação de pólos de desenvolvimento industriais e agropecuários.

Ouro da serra Pelada – Nos anos 1980, toneladas de ouro foram extraídas da serra Pelada, ao sul da serra dos Carajás, atraindo para o local milhares de garimpeiros. Depois de esgotadas as reservas, devido à exploração descontrolada, foi descoberta, em 1996, uma nova jazida de ouro, na serra do Leste, vizinha à serra Pelada.

A INDÚSTRIA NA AMAZÔNIA 

 
      Indústria Madereira na Amazônia
Até a década de 1970, a indústria da Região Norte era pouco expressiva e estava ligada ao beneficiamento dos produtos extrativos vegetais (borracha, castanha-do-pará, madeira) e aos ramos tradicionais de bens de consumo (alimentos, bebidas, vestuário). A instalação de indústrias é um processo recente e deve-se principalmente a uma política praticada pelo Governo Federal para integrar a Amazônia ao restante do Território Brasileiro. Um dos objetivos da criação da Sudam foi exatamente instalar indústrias na Região.

Para que a indústria pudesse desenvolver-se, foram feitos grandes investimentos. Era necessário melhorar o abastecimento de energia, o sistema de transportes e de comunicações, os portos e os aeroportos, etc. Além disso, o governo dispensou empresas de pagarem impostos, doou terrenos e criou várias formas de estímulo para atrair indústrias de outras partes do País, sobretudo do Sudeste.

Zona Franca de Manaus – A primeira experiência de industrialização da Região ocorreu por meio da criação da Zona Franca de Manaus em 1967. Trata-se de uma área de livre comércio em que não são cobrados impostos de importação sobre os produtos comprados do exterior. Estão instaladas aí mais de quinhentas indústrias, sendo trezentas de grande porte. Em sua maioria, são apenas montadoras de produtos obtidos com tecnologia estrangeira como relógios, material elétrico e de comunicações e outros bens de tecnologia avançada, com destaque para automóveis e computadores.

Indústrias em torno de Carajás – Outro importante pólo industrial na Região articula-se em torno do Projeto Grande Carajás. Desde sua instalação, na década de 1980, todo o minério extraído era praticamente exportado em estado bruto, o que não levou à criação de outras atividades econômicas na Região.

No fim da década de 1980, estimulou-se a transferência de usinas de ferro-gusa do Sudeste, especialmente mineiras, para a área em torno da estrada de ferro Carajás-Itaqui. Também foi incentivada a instalação de indústrias de madeira. Apesar disso, não ocorreu um desenvolvimento industrial significativo na região de Carajás, que ainda se baseia numa economia essencialmente extrativa.

Indústrias em Belém – Outro centro industrial do Norte está em Belém, que tem uma grande concentração de indústrias produtoras de bens de consumo não só para a população do Pará, mas também para São Paulo e Rio de Janeiro. Destacam-se as indústrias de alimentos, de fumo, de bebidas, de produtos farmacêuticos, de couro, de perfumaria, etc.

Outros centros industriais de menor porte são encontrados em Santarém, no Pará, e nas capitais, como Macapá e Porto Velho.





Você também vai querer ler...

Comente!

Que tal ajudar?

Ajudamos milhões de estudantes todos os meses, levando conteúdo educacional, de graça. Faça uma doação e ajude a manter o projeto. Clique no botão ao lado.