Digite o que você quer buscar:  
Home » Trabalhos Escolares » Química » Classificação periódica dos elementos » Relações entre a estrutura atômica e a posição do elemento na classificação periódica
01/06/2012 10:22

Relações entre a estrutura atômica e a posição do elemento na classificação periódica

Aumentar fontes para melhor leitura Diminuir fontes para melhor leitura

4- Relações entre a estrutura atômica e a posição do elemento na classificação periódica

Nos subgrupos A, 1 – B e 2 – B, os elementos indicam números de elétrons na camada de valência idêntico ao número do grupo. No grupo A os elementos são denominados representativos ou típicos, o último elétron que se acrescenta na eletrosfera se localiza no subnível s ou p. Observe o exemplo:

Mg (2 – A ou 2), possui 2 elétrons externos.
Cu (1 – B ou 11) possui 1 elétron mais externo.

Nos subgrupos 3 – B, 4 – B, 5 – B, 6 – B, 7 – B e 8 – B, apresentam 1 ou 2 elétrons na camada mais remota. O subnível d incompleto é denominado metais de transição, como por exemplo, o ferro: Vejamos: 

Vejamos agora algumas características específicas dos metais de transição:

• Eles apresentam mais de um número de oxidação pelo fato de tanto os elétrons da camada mais externa, como os dos orbitais d incompletos, fazerem parte da combinação. Dessa forma os íons Fe++ e Fe+++, possuem a seguinte distribuição eletrônica:

Fe++: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 3d6
Fe+++: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 3d5 

O limite dessa variabilidade de valência varia entre superior e inferior. O limite superior é dado pelo mesmo número do grupo que ele faz parte, e o limite inferir é dado pelo número de elétrons encontrados no subnível s periférico, e de maneira geral são 2, menos para o grupo 6 – B neste caso o número é 1.

Dentre os limites superiores e inferiores existe uma camada de valência intermediaria em que o elemento pode apresentar o esquema abaixo:

Grupo

3-B

4-B

5-B

6-B

7-B

8-B

Limite inferior

2

2

2

1

2

2

Intermediários

3

3
4

2
3
4
5

3
4
5
6

3
4
5
6
7

Limite superior

3

4

5

6

7

8

• Eles formam facilmente complexos, como por exemplo, o Ferricianeto de potássio ( K3 [ Fe (CN)6 ] ) e o Ferrocianeto de potássio (K4 [ Fe (CN)]).

• Eles apresentam em soluções aquosas, e íons coloridos, observe o exemplo: 

+++ - vermelho ferrugem
++ - verde

• Na camada de valência eles apresentam 1 ou 2 elétrons. Os metais de transição interna são os actinídeos (referente a ocupação do subnível 5f, encontra-se no subgrupo 3 – B) e os lantanídeos (referente a ocupação eletrônica do subnível 4f, encontra-se no subgrupo 3 - B), por exemplo: 

Elementos do grupo zero, indicam eletronicamente completos todos os subníveis iniciados, os gases nobres fazem parte desse grupo (zero),e possui 8 elétrons na camada K, porém os compostos de gases sintetizados não são em sua totalidade inertes, por exemplo: X e F4, X e O3, entre outros.

Observe abaixo o resumo das configurações eletrônicas, sendo o número quântico principal (n). 

Notas:
 
1- Com relação ao cobre, ouro e prata, um dos elétrons do subnível ns2, irá passar para o subnível (n – 1) d9, contradizendo a regra de preenchimento. dessa forma o cobre (Z = 29) deve ter a seguinte distribuição: 

1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 3d9 4s2

Porém sua configuração é:

1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 3d10 4s1

2- Uma das exceções do Diagrama de Linus Pauling, ocorre quando o cromo e molibdênio (grupo 6 - B), um elétrons do subnível ns2 transporta-se para o subnível (n - 1) d4. Cromo estaria com configuração de:

1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 3d4 4s2

Mas sua configuração é :

1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 3d5 4s

3- Existem os semimetais ou metalóides, que estão entre os metais e os não-metais, por exemplo, o silício e o germânio, eles também podem ser utilizados na fabricação de transistores.


Silício





Você também vai querer ler...

Comente!

Que tal ajudar?

Ajudamos milhões de estudantes todos os meses, levando conteúdo educacional, de graça. Faça uma doação e ajude a manter o projeto. Clique no botão ao lado.