Colégio Web

Doença de Parkinson

No Dia do Parkinsoniano conheça um pouco mais sobre suas causas, sintomas e tratamento.

Publicidade

Parkinson é uma doença crônica, progressiva que atinge principalmente os idosos, sua principal característica é a perda de maior quantidade de neurônios, fazendo com que a pessoa fique com tremores, faça movimentos lentos para tudo, rigidez muscular, perda de sono e falhas na memória.

doença

Não existe exatamente uma definição sobre a doença de Parkinson, o que se sabe é que o termo Parkinsonismo foi criado para caracterizar várias doenças com os mesmos sintomas, sendo estes ou não ligados a causas neurológicas. Porém existem alguns fatores que influenciam o desenvolvimento da doença, conheça algumas delas:

a) Exagero no consumo de medicamentos, principalmente aqueles ingeridos por conta própria sem receita médica.

b) Pessoas que frequentemente sofrem acidentes e batem a cabeça, alem de profissionais do boxe.

c) Isquemia cerebral (entupimento das veias que levam sangue para o cérebro).

d) Estar frequentemente exposto a substâncias como manganês (baterias), petróleo e produtos químicos.

Sintomas

Os sintomas são quase imperceptíveis no começo da doença, porém vão progredindo aos poucos. Os primeiros sinais de Parkinson são percebidos quando o paciente começa a sentir muita fatiga no fim do dia, suas articulações ficam menos firmes, fazendo com que perca a habilidade de escrever uma carta ou digitar algo. Outro sintoma, talvez o mais característico da doença é a perda constante de memória, falta de concentração e habilidade em realizar alguma tarefa. E, por fim, a perda gradativa da expressão facial. O Parkinsoniano tem a expressão facial comprometida, ou melhor, não sorri com frequência, pisca poucas vezes os olhos e perde a expressão.

Já com um estágio mais avançado da doença, a pessoa começa a apresentar tremores, sempre começa em um dos lados do corpo, ou seja, em uma das mãos, ou dos pés, sendo difícil de controlar, depois dependendo do quadro do paciente, passa para os dois lados.

Tratamento

Existem alguns tratamentos para a DP, porém não há cura, o que pode ser feito pelo paciente é somente um tratamento para evitar que a doença fique mais grave, diminuindo os sintomas. Isso porque as células do cérebro não se regeram diferente de outras partes do corpo. Por isso, os melhores tratamentos são a base de medicamentos e em alguns casos, cirurgia.

Por isso, é muito importante um acompanhamento médico, e realização de exames anualmente. E, se alguns dos sintomas citados surgir é importante procurar um médico para que ele possa dar um diagnóstico preciso.

Recomendados para você

Comentários

+ Artigos relacionados