Colégio Web

Como a Revolução Francesa influenciou o mundo?

1Todos sabemos o quanto os franceses exercem influência em diversas áreas do conhecimento: gastronomia, idioma, história e tantos outros aspectos. Um dos fatos históricos mais importantes do povo francês também exerceu marcas em outros países e regiões. Estamos falando da Revolução Francesa, um dos fatos mais marcantes da história contemporânea no mundo Ocidental. Foi esse bravo embate histórico da França que demarcou o fim do período Moderno e marcos iniciais da contemporaneidade. É o que dizem os historiadores europeus, que acabaram por estudar essa temática de forma bastante aprofundada até mesmo para que fossem observadas essas influências em outras regiões.

Publicidade

O contexto da Revolução Francesa é de ascensão da burguesia como uma nova classe social a fazer frente ao poderia da Igreja Católica. Os aristocratas e representantes da sociedade feudal passaram a ser menos poderosos e novas instituições passaram a fazer frente ao clero. Novas formas de organização social, política e econômica ganharam espaço. O planeta começava a sentir ares de expansão.

Capitalismo e Revolução Industrial

2Esse era o terreno ideal para o surgimento do capitalismo, que chegou de forma avassaladora para dominar o cenário dos senhores feudais. Esse fato foi mais observado na área Ocidental da Europa. Junto com tais mudanças, a Revolução Industrial chegava com todo o vapor das máquinas e da pujança econômica. Desde os séculos XVII e XVIII, com os ares ventilados pelo Iluminismo, o uso da razão começava a auxiliar os homens nos seus conflitos e dúvidas sobre o funcionamento do mundo e da natureza. A organização da sociedade começava a ficar mais equilibrada.

É importante ressaltar que os representantes do Iluminismo não eram propriamente adeptos da revolução. Eles se apoiavam em idéias, no uso da racionalidade científica e assim buscavam formas de interpretar a sociedade. Tudo aquilo que os reis e a Igreja cristalizaram como poder acabou sendo abalado pelas idéias.

Assim, o poder pode ser compartilhado por um camponês ou mesmo por um rei, desde que fossem criadas instituições que validassem esse conceito. Nesse sentido, a instituição da República foi o principal passo dos pensadores franceses. O ideal republicano apontou que era hora de acabar com os privilégios dos aristocratas e libertar o povo camponês do jugo da servidão. A nobreza e o clero precisavam compreender que seus domínios de poder estavam chegando ao fim, pois não mais havia espaço para as instituições feudais. A burguesia avançava em seus negócios e fragilizava os “donos do poder”.

O pensamento iluminista, mesmo antes da Revolução Francesa, já estava sendo usado na América do Norte, quando os colonos ingleses proclamaram a Independência dos EUA e passaram a viver em formato de República. No ano de 1794, o povo africano escravizado que sofria nas lavouras do Haiti com a cultura da cana-de-açúcar também lutou pela independência. Foi a África o primeiro país a dar fim à escravidão. Aqui no Brasil, o movimento dos Alfaiates ou Conjuração Baiana também beberam no Iluminismo e Revolução Francesa.

Recomendados para você

Comentários

+ Artigos relacionados