Digite o que você quer buscar:  
Home » Trabalhos Escolares » Literatura » Parnasianismo » Vicente de Carvalho
01/06/2012 11:02

Vicente de Carvalho

Aumentar fontes para melhor leitura Diminuir fontes para melhor leitura

VICENTE DE CARVALHO

NASCIMENTO E MORTE – Vicente Augusto de Carvalho nasceu em Santos (SP), em 5 de abril de 1866. Faleceu em São Paulo, SP, em 22 de abril de 1924.

DIREITO– Em 1882, aos 16 anos, ingressou na Faculdade de Direito, bacharelando-se aos 21 anos incompletos.

Fez parte da chamada Boêmia Abolicionista, cujas reuniões muitas vezes se realizaram nos bancos das praças públicas, impedidos que eram pelas autoridades policiais de irem à sede.

ESTRÉIA – Em 1885, publicou seu primeiro livro de versos, Ardentias, nome inspirado na fosforescência das ondas. A obra fez sucesso, consagrando-o aos 19 anos.

MUITAS ATIVIDADES – Em Santos, assumiu a chefia da imprensa republicana, militando em todos os jornais. Depois de casado, virou político, fazendeiro, empresário. Mas fez carreira de verdade na área jornalística. Colaborou, durante muitos anos, em O Estado de S. Paulo, em A Tribuna, e fundou, em 1905, O Jornal.

SUCESSO LITERÁRIO – Publicou, em 1908, Poemas e Canções, com enorme sucesso.

APELIDO – Pela obsessão que tinha de falar do mar, ganhou o apelido de “Poeta do Mar”.

OBRAS

1. Ardentias (poesias, São Paulo, 1885)

2. Relicário (versos, Santos, 1888)

3. Rosa, rosa de amor (versos, São Paulo, 1901).

4. Poemas e canções (prefácio de Euclides da Cunha, São Paulo, 1908).

POEMAS FAMOSOS

1. Velho Tema

2. Palavras ao Mar

3. Pequenino Morto

4. A Flor e a Fonte

FRANCISCA JÚLIA 

NASCIMENTO E MORTE – Francisca Júlia nasceu em Xiririca, hoje Eldorado, SP, em 1871. Morreu em São Paulo (SP), em 1920.

ESTRÉIA – Em 1895, publicou seu primeiro livro, Mármores, um livro de sonetos que causou sensação nas rodas culturais de São Paulo e do Rio de Janeiro. Olavo Bilac fez-lhe elogios emocionados.

TALENTO FEMININO – Num universo inteiramente dominado por poetas do chamado sexo forte, Francisca Júlia provou que mulher também sabia fazer poesia de qualidade. Criou versos perfeitos, elevando-se ao nivel da “trindade parnasiana” (Olavo Bilac, Raimundo Correa e Alberto de Oliveira), que foram seus admiradores e principais incentivadores.

ÚLTIMA OBRA – Seu segundo e último livro de poesias, Esfinges, só veio a lume em 1903, merecendo os mesmos aplausos do primeiro.

OBRAS

1. Mármores (poesias, 1895)

2. Esfinges (poesias, 1903)

POEMAS FAMOSOS

1. Musa Impassível

2. Esfinges





Você também vai querer ler...

Comente!

Que tal ajudar?

Ajudamos milhões de estudantes todos os meses, levando conteúdo educacional, de graça. Faça uma doação e ajude a manter o projeto. Clique no botão ao lado.