Digite o que você quer buscar:  
Home » Trabalhos Escolares » Literatura » Parnasianismo » Poesia Realista e Parnasianismo
01/06/2012 11:02

Poesia Realista e Parnasianismo

Aumentar fontes para melhor leitura Diminuir fontes para melhor leitura

POESIA REALISTA E PARNASIANISMO.
Poesia realista.
CROMO XXXVI.

Domingo. A casa de palha
Abre as janelas ao sol
Na horta o dono trabalha
Desde veio o arrebol;

E a companheira, de grampo
No cabelo em caracol,
Na erva enxuta do campo
Estende um claro lençol...

No ribeiro cristalino
Bebem as aves; o sino
Chama os cristãos à matriz;
Entra a mulher... mas da porta
Fala meiga, para a Horta:
- Vamos à missa, Luís?

(Bernardinho Lopes).

Poesia Parnasiana.

O MURO.

É um velho paredão, todo gretado,
Roto e negro, a que o tempo uma oferenda
Deixou num cacto em flor ensangüentado;
E num pouco de musgo em cada fenda

Serve há muito de encerro a uma vivenda;
Protegê-la e guardá-la é seu cuidado;
Talvez consigo essa missão compreenda,
Sempre em seu posto, firme e alevantado.

Horas mortas, a lua o véu desata,
E em cheio brilha; a solidão de estrela
Toda de um vago cintilar de prata.

E o velho muro, alta a parede nua,
Olha em redor, espreita a sombra, e vela,
Entre os beijos e lágrimas da lua.

(Alberto de Oliveira).





Você também vai querer ler...

Comente!

Que tal ajudar?

Ajudamos milhões de estudantes todos os meses, levando conteúdo educacional, de graça. Faça uma doação e ajude a manter o projeto. Clique no botão ao lado.