Digite o que você quer buscar:  
Home » Trabalhos Escolares » Literatura » Barroco » Síntese das características literárias do Barroco
01/06/2012 11:02

Síntese das características literárias do Barroco

Aumentar fontes para melhor leitura Diminuir fontes para melhor leitura

2. Síntese das características literárias do Barroco.

As características principais do Barroco são:

Pessimismo (dúvida ou incerteza): Essa característica baseia-se mais naquela visão de que o homem veio do pó e que ele retornará para o pó na morte. A morte se tornou uma preocupação constante (como na Idade Média e Romantismo) entre a incerteza da vida, sempre vivendo com medo e com dúvidas.

Religiosidade: a religiosidade foi uma época onde ocorreram grandes conflitos espirituais, onde a religiosidade barroca era bastante conflituosa e tensa. A crença religiosa pelo papel vigoroso da Igreja Católica Contra-Reformista estabelece uma visão do homem, como sendo um grande pecador. Com isso o homem barroco racionalizou a fé, fazendo valer alguns argumentos racionais em busca da salvação, controlando as metáforas bíblicas em busca do perdão divino os dogmas religiosos, através do controle de recursos da lógica.

Particularismo: o particularismo é diferente da Arte Clássica que é universal em suas projeções e uniforme em seus traços, ele somente valoriza o que é nacional. Por isso no Barroco existem duas linhas: 

A) Que deriva do catolicismo contra-reformista reflete na inquisição do terror religioso e Político.

B) A que reflete o triunfo do protestantismo reformista e a emergência de uma buguersia capitalista bem articulada e forte, como aconteceu na Inglaterra e na Holanda.

Feísmo: dentro dessa característica, pode-se dizer que o equilíbrio clássico foi rompido, e ao mesmo tempo se opondo à simetria, harmonia, elegância dos clássicos. O barroco tem preferência pelos aspectos sangrentos, dolorosos e cruéis, ou seja, ocorre uma atração pelo belo horrendo, ou seja, pelo espetáculo clássico, acabando com as imagens por causa do exagero.

Fusionismo: todos os artistas barrocos expõem os contrários, querendo assim incluí-los no meio de analogias sensoriais, de imagens, de metáforas, que mostram a unidade, a identidade, se valendo do jogo do jogo de oposições e contrastes. 

Atitude Lúdica: Muitos textos Barrocos parecem bastante pobres, sem conteúdo certo, sem mensagem; o artista Barroco estava mais preocupado em exibir o que sabia, com uma linguagem sobrecarregada de trocadilhos e sutilezas e imagens insólitas. O Artista Barroco não diz o que tem de ser dito, ele somente sugere através de imagens, como por exemplo, Sangue é o “rubi do corpo”; Lágrima é o cristal dos olhos. Usa as figuras semânticas, sintáticas e sonoras. É muitas vezes estéril pesado e artificial. Por isso umas boas partes da crítica chamavam-na de “Arte do mau gosto”.

Cultismo ou Gongorismo: É caracterizado pelo jogo de idéias e imagens, ou seja, tudo era retratado de uma maneira exagerada para que o leitor fosse surpreendido com aquelas palavras. Promove o mundo através das cores e dos sons (DELÍRIO CROMÁTICO), ou ilusão que é apoiado em metáforas, pronomes, trocadilhos, palavras, sinestesias, prosopopéia entre outros. Existem outros processos semânticos que eram usados no barroco: omissões, repetições; na sonoridade.

Conceptismo ou Quevedismo: É mais voltado para o jogo de idéias, uma argumentação que visa convencer pelo pensamento. O Conceptismo pesquisa sobre a origem dos objetos, que busca entender a fase oculta de todas as coisas que só podem ser visíveis pelo pensamento, que evita usar a aparência brilhante para o cultismo, operando todos os mecanismos da lógica. Em um texto Barroco podem-se encontrar elementos Cultistas e Conceptistas. 

Como teve influência espanhola, o cultismo em Portugal, e no Brasil chama-se de Gongorismo. O conceptismo que é conhecido como Quevedismo em alusão ao poeta Francisco Quevedor y Villegas (1580-1645). 

Textos barrocos

Ao rigor de Lísi

Mais dura, mais cruel, mais rigorosa,
Sois, Lísi, que o cometa, rocha ou muro,
Mais rigoroso, mais cruel, mais duro,
Que o Céu vê, cerca o Mar, a Terra goza.

Sois rica, mais bela, mais lustrosa,
Que a perla, rosa, Sol, ou jasmim puro,
Pois por vós fica feio, pobre e escuro,
Sol em Céu, perla em mar, em jardim rosa.

Não viu tão doce, plácida e amena,
(brame o Mar, trema a Terra, o Céu se agrave),
luz o Céu, ave a Terra, o mar sirena.

Vós triunfais de sirena, luz e ave,
Claro Sol, perla fina, rosa amena,
Mor cometa, árduo muro e rocha grave.





Você também vai querer ler...

Comente!

Que tal ajudar?

Ajudamos milhões de estudantes todos os meses, levando conteúdo educacional, de graça. Faça uma doação e ajude a manter o projeto. Clique no botão ao lado.