Digite o que você quer buscar:  
Home » Trabalhos Escolares » História » Mesopotâmia e Pérsia » A organização econômica e social da Mesopotâmia
01/06/2012 10:02

A organização econômica e social da Mesopotâmia

Aumentar fontes para melhor leitura Diminuir fontes para melhor leitura

A organização econômica e social da Mesopotâmia 

A Mesopotâmia vivia basicamente da agricultura, a população se dedicava especialmente a atividades como plantio e colheita, aproveitando a inundação dos rios para a fertilização das terras, além dos canais de irrigação e açudes. O trigo, a cevada eram os principais produtos agrícolas. 

As terras cultiváveis pertenciam aos deuses, sendo assim os governantes e os templos eram os principais proprietários de tais terras. Os camponeses tinham o direito de cultivar nessas terras, mas parte desta produção era entregue aos sacerdotes. 

Outras atividades como o gado não eram tão importantes. No entanto, o artesanato ganhou destaque assim que os utensílios domésticos forma se aperfeiçoando. 

Os sacerdotes, que eram os grandes proprietários, acumulavam riquezas à custa da exploração dos camponeses e artesãos, que também eram obrigados a trabalhar em obras públicas e hidráulicas. 

Com a disputa pelas melhores terras cultiváveis se constituiu a aristocracia guerreira que através de muita violência submeteu os povos oprimidos ao trabalho compulsório. 

A sociedade mesopotâmica, dentro de um contexto geral, pode ser divida em duas classes distintas: classe privilegiada formada pelos nobres, sacerdotes e militares, que dominavam o poder; e a classe não-privilegiada, formada pelos camponeses, artesões e escravos, que eram explorados pelas massas privilegiadas. 

O rei ocupava o topo dessa organização social, ele que era reputado como um representante do deus na Terra.





Você também vai querer ler...

Comente!

Que tal ajudar?

Ajudamos milhões de estudantes todos os meses, levando conteúdo educacional, de graça. Faça uma doação e ajude a manter o projeto. Clique no botão ao lado.