Colégio Web

Conclusão

jl000062Para entender a Revolução Industrial, vamos voltar um pouco ao início do sistema capitalista. À sua fase inicial.

Publicidade

O sistema capitalista, na economia, é classificado em três fases: comercial ou mercantilista (pré-capitalismo), industrial ou industrialismo (nos séculos XVIII e XIX) e fase financeira ou monopolista (século XX).

Em termos gerais, o sistema capitalista defende a propriedade privada, acredita que deve existir controle estatal da economia, foca no lucro, nas relações de poder e no trabalho assalariado.

Tudo começou no século XV, quando o sistema feudal começou a entrar em crise. É importante destacar que os senhores feudais se organizavam, em termos econômicos, com políticas, bases sociais e elementos da cultura que priorizavam a posse da terra. Um sistema que prevaleceu e se manteve firme, em toda a Europa, do século V até o século XV. Foi entrar em crise justamente quando o império romano começou a se deteriorar.

A sociedade em estamentos, demarcada por camada social estanque, acabou sendo marca desse período feudal. Assim, nem se pensava na possibilidade de reivindicar mobilidade social. Os senhores feudais e os servos viviam como se dali nunca fossem passar por mudanças. Acima, a Igreja e os Reis.

Os senhores feudais administravam os feudos a partir do poder político local e, sendo assim, podiam administrar as terras e manter os servos completamente ligados àqueles amplos espaços de terra. O que se produzia era chamado de regime autossuficiente, pois tudo ficava dentro do consumo local. O que automaticamente nos explica o porquê de não haver possibilidades de trocas comerciais. E, sem elas, qual a utilidade do dinheiro? Nenhuma.

Navegações

Foi só no século XV, com as navegações, que “a coisa” começou a mudar. As cidades tiveram aumento populacional, as primeiras feiras foram aparecendo e um comércio embrionário surgia. Para manipular todo esse processo, a figura do burguês surgiu como uma luva. A crise do sistema feudal foi confirmada quando surgiram as primeiras moedas de troca. A semente germinando o capitalismo no mundo. Temos, assim, o fim da Idade Média e começo da Idade Moderna.

Monarquias

E os reis, como ficaram nesse processo? Os absolutistas se tornaram aliados dos burgueses. Sentiram-se, de certa forma, vingados da antiga arrogância dos senhores feudais. O rei começou a desenvolver o controle da economia estatal. Daí surge a ideia de poder central. Também começam a se delinear as primeiras regras para organizar aquele comércio e feiras tão iniciais. O homem moderno, no poder, senti necessidade de ampliar as rotas de troca de produtos ou domínio de outras regiões.jl000062

No Brasil

A crise que representou o final da década de 20 se agravou com a força da insatisfação militar, e com a opção das oligarquias regionais dissidentes pela via armada. Assim, o setor cafeeiro também foi atingido, e as chances de eclodir uma revolução aumentaram.

A Revolução de 1930 foi um golpe de estado que aniquilou o grupo oligárquico dominado pela elite cafeeira paulista, trazendo para o poder uma junta militar, que passa o governo a Getúlio Vargas.

A República Velha só teve o seu verdadeiro fim no dia 3 de novembro de 1930, quando Getúlio Vargas se empossou do cargo de presidente.

Recomendados para você

Comentários

+ Artigos relacionados