Colégio Web

Educadora diz: “Se a escola é ruim em um período, em dois ela é pior”

Publicidade

A educação brasileira vive um dos momentos mais decisivos de toda a História do Brasil, com grande importância sendo direcionada ao que poderá e deverá ser feito pelos governos para tentar melhorar os resultados.

Portanto, é natural que mais e mais especialistas no assunto decidam expor suas opiniões, fazendo com que muita coisa importante seja dita sobre a educação brasileira, elevando o nível da discussão.

E um bom exemplo foi dado pela presidente do Conselho Estadual de Educação de São Paulo, Guiomar Namo de Mello, que durante uma entrevista destacou que “Se a escola é ruim em um período, em dois ela é pior”. Portanto, vamos entender o contexto da declaração.

As críticas ao Plano Nacional da Educação

Plano nacional educação

A presidente do Conselho Estadual de Educação de São Paulo, Guiomar Namo de Mello, fez essa afirmação durante uma entrevista onde ela também criticava duramente o Plano Nacional da Educação (PNE).

A crítica principal de Guiomar se dirige à intenção de aumentar a jornada diária dos alunos para 7 horas, que é uma das medidas mais importantes que estão sendo previstas pelo PNE.

Para ela, o problema não reside no fato de que os alunos ficam poucas horas na escola, mas sim no fato de que essas poucas horas são muito mal aproveitadas, o que possivelmente irá continuar com o aumento dessa jornada.

Guiomar afirma que, se essa escola não sabe aproveitar de modo realmente efetivo a quantidade de horas em um período, possivelmente não conseguirá melhorar esse aproveitamento dentro de uma lógica de dois períodos.

O ideal é melhorar a qualidade, não a quantidade!

Educadora diz Se a escola é ruim em um período, em dois ela é pior

Guiomar segue defendendo a tese de que para que a educação brasileira seja realmente boa e efetivamente contribua para as melhorias do mercado de trabalho do país, o ideal é investir em qualidade.

Ou seja, o ideal é melhorar a qualidade do ensino, procurando aproveitar bem as horas que os alunos passam dentro da escola, e não investir apenas em aumentar a quantidade de horas que esses alunos passam dentro da escola.

Outra coisa que incomoda a presidente do Conselho Estadual de Educação de São Paulo, o ideal é aumentar o tempo de aprendizagem, sem defender a inserção de atividades extracurriculares pouco proveitosas, como atividades manuais inúteis.

O mais indicado a ser feito é realmente aprimorar a qualidade do ensino, colocando mais proveito dentro das horas que os alunos permanecem dentro da escola, já que isso irá significar uma melhora da qualidade de ensino.

Recomendados para você

Comentários

+ Artigos relacionados