Colégio Web

Quem é Cícero e seu papel na história?

1Muitos de nós já ouvimos falar da figura de Cícero como um dos representantes da História. Mas, o que se atribui a esse homem? “Para começar, algumas frases: “o homem aprende com a experiência” ou ainda que “as rugas de uma mulher ou mesmo um homem e seus cabelos brancos apontam para uma sabedoria peculiar”. Qualquer uma dessas frases aponta que o nosso passado sempre pode nos ensinar a sermos mais prudentes. Assim, seja um homem ilustre ou uma pessoa comum, tornar-se importante sempre fazer uso desse tipo de alerta para não vivenciar tanto sofrimento ou desgaste desnecessários.

Publicidade

Essa forma de pensamento não é recente e chegou a nós por conta dos ensinamentos do mundo antigo. É usado pela modernidade e tem Marco Túlio Cícero como um de seus pais. Cícero, para os íntimos, era um importante orador e representante da classe política da antiga Roma. Para ele, havia uma relação muito próxima entre as ações virtuosas orientadas a partir da reflexão e ponderação. Ele usava os exemplos do passado para comprovar sua tese de que a memória pode ser uma importante mestra para a vida.

Cícero é referência para diferentes tipos de pesquisadores que enxergam a história como uma importante ferramenta para ensinar aos homens da atualidade a forma mais prudente de compreender a vida.

Ensinamentos repassados por Aristóteles

2É possível enxergar que o grande Cícero era sabedor de intuições morais em relação à história. No período da Roma Antiga, a disciplina de História não era ainda constituída com artefatos metodológicos ou mesmo cunho cientifico como passou a ser no século XIX. Naquele período antigo, a história passava a desempenhar funções de exemplificação ou mesmo era usada para preservar importantes feitos da humanidade. Na linha de estudos de Cícero, a história sempre foi associada para tradições retóricas, a importância do saber falar, argumentar e convencer. Uma técnica de retórica serve para a história, pois auxilia nas instruções morais.

Antes de Cícero, quem também já possuía essa perspectiva sobre a retórica foi o filósofo Aristóteles. Sobretudo nos estudos da Ética a Nicômaco e na obra Retórica, Aristóteles construiu as bases que refletem sobre esses itens de ética, virtude, argumentação e retórica. A própria tragédia grega foi usada como exemplo para que as obras aristotélicas tivessem embasamento real. Ao fim, Cícero alerta que a história tem uma função moral que precisa assentar a base de excelentes exposições.

Na atualidade, o pesquisador Felipe Charbel Teixeira comprova esse pensamento de Cícero em um de seus estudos:

“Cícero, no De Oratore (55 a. C.), alude a utilidade do relato histórico em sentença memorável e exaustivamente repetida até os nossos dias: “a história é testemunha dos séculos, luz da verdade, vida da memória, mestra da vida, mensageira do passado”. Menor atenção, porém, foi dedicada pela posteridade à pergunta que fecha a ilustre passagem: “que voz, se não a do orador, pode torná-la imortal?” (TEIXEIRA, Felipe Charbel. Uma construção de fatos e palavras: Cícero e a concepção retórica da história. Varia hist., Belo Horizonte , v. 24,n. 40, Dec. 2008. pp. 557-558).

E então, você agora já passou a refletir sobre o que o seu próprio passado lhe ensinou até hoje? Quer compartilhar conosco?

Recomendados para você

Comentários

+ Artigos relacionados