Colégio Web

Anfetaminas (bolinhas)

1A anfetamina é uma droga que estimula as atividades do sistema nervoso central e, por conta dessa propriedade, permite que o cérebro trabalhe mais rápido, deixando o indivíduo mais aceso, ligado, com menos sono e elétrico. De maneira popular, também é conhecida por rebite e muito utilizada por motoristas que necessitam estar no trânsito por várias horas e sem possibilidade de descanso a fim de cumprir com suas viagens. Alguns estudantes também fazem uso desta droga para conquistarem disposição e permanecer em estudo por muitas horas. Até mesmo aqueles que querem emagrecer sem sacrifício fazem uso da anfetamina.

Publicidade

Nos Estados Unidos da América, uma das modalidades de anfetaminas mais conhecidas é a metanfetamina. Muito utilizada em formato de cachimbo, recebe o nome de “ICE” C gelo).

Um outro tipo de anfetamina, chamado de metilenodióximetanfetamina (MDMA), também pode ser encontrada popularmente como “Êxtase”. Nesse caso, percebe-se maior penetração entre jovens ingleses e também nos Estudos Unidos com uso crescente e que tem causado grande preocupação.

Fabricação em laboratório

A anfetamina é um tipo de droga sintética, produzida em laboratório. Como são muito diversificadas, acabam sendo comercializadas em diferentes nomes de fantasia. Confira abaixo alguns dos tipos comerciais pertencentes à família das anfetaminas.

Dietilpropiona ou Anfepramona: Dualid S; Hipofagin S; Inibex S; Moderine
Fenproporex: Desobesi-M; Lipomax AP; Inobesin
Mazindol: Dasten; Fagolipo; Absten-Plus; Diazinil; Dobesix
Metanfetamina: Pervitin
Metilfenidato: Ritalina

No caso do uso da anfetamina, os efeitos cerebrais e em outras partes do corpo são altamente prejudiciais. Quando o indivíduo, por exemplo, acaba exagerando na dose e ingerindo vários comprimidos as consequências podem ser irreversíveis. Agressividade, irritação e até mesmo alucinações são alguns dos sintomas mais relatados em superdosagem. No caso da alucinação, também conhecemos o sintoma por delírios percutórios marcados por paranoias que são até denominadas de psicoses anfetamínicas. No corpo, os sinais também são evidentes: acentuada midríase, palidez na pele e fortes contrações dos vasos sanguíneos, bem como taquicardias. Em situações de intoxicação mais grave, o indivíduo deve ser internado para que ocorra toda uma “limpeza” no organismo. Em momentos como esse a temperatura corporal aumenta muito e, com esse grau de risco, também podem existir convulsões.

Por fim, também é válido ressaltar que há pesquisas mais recentes e testes com animais em laboratórios que apontam novidades quanto ao uso dessa droga sintética. Quando aplicada de forma continuada em animais, percebe-se que ela acaba levando a processos degenerativos nas células cerebrais. Tais estudos levam a crer que usos crônicos de anfetaminas acabam produzindo lesões irreversíveis.

 

Recomendados para você

Comentários

+ Artigos relacionados