Colégio Web

Síndrome de Asperger e os Gênios da Humanidade

A doença síndrome de Asperger parece esconder uma relação muito íntima com a genialidade, tendo sido identificada em pessoas como: Bill Gates, Van Gogh, Newton e Einstein.

Publicidade

A doença conhecida como síndrome de Asperger, de maneira curiosa, parece esconder uma relação muito íntima com a genialidade, tendo sido identificada em pessoas do porte de Bill Gates, Van Gogh, Newton e Einstein, entre muitos outros.

Características notáveis de Asperger, como predileção por isolamento e obsessão, estabeleceu que esse nomes sejam alguns exemplos de pessoas que foram as melhores em cada uma de suas áreas de atuação, marcando, de uma forma ou de outra, a história da humanidade. Desse modo, o PC, obras de cinema, teorias valiosas da ciência e outros avanços e criações do intelecto humano, certamente, poderão ser atribuídos a tal síndrome.

Bill Gates, o gênio da informática e da tecnologia, que mudou para sempre a maneira através da qual nos relacionamos com a tecnologia em nosso dia a dia, segundo todas as pessoas que o cercam, apresenta um comportamento, no mínimo, sui generis em suas reuniões de trabalho: fica se balançando, de maneira mecânica e repetitiva, para frente e para trás em sua cadeira. O mesmo ocorre em aeronaves, quando é o momento de uma de suas incontáveis viagens. Não costuma manter qualquer contato olho no olho e não exatamente tem grandes habilidades em lidar com o traquejo social, ou se relaconar bem com as pessoas socialmente.

Bill Gates

Esses são alguns dos traços característicos de Asperger, segundo o médico norte-americano Temple Grandin, que escreveu a obra Thinking in Pictures – ou ‘Pensando em Imagens’ – e atestam que Bill Gates sofra da síndrome de Asperger, que dá nome a um conjunto de aspectos que acometem determinadas crianças e adultos, ao tentar se comunicar com o mundo exterior.

Por isso, normalmente acabam focando-se em uma área do conhecimento – como a própria informática, pintura, ou língua estrangeira – e começam a ficar obcecados com o que são capazes de produzir. Sua inteligência é notável e, mesmo que tenham tido educação formal, dominando o vocabulário da língua nativa, ficam em apuros quando tem de utilizar esse tipo de comunicação em situações de convívio social.

Van Gogh – o gênio da pintura nascido na Holanda, em 1853 – apenas foi capaz de comercializar uma pintura, ao longo da vida. Em sua infância ficava longas horas sozinho, além de apresentar grande dificuldade em se relacionar com outras pessoas. Apresentava grandes surtos de raiva e, em geral, parecia “aéreo”. Sua habilidade para a pintura foi descoberta ao completar 27 anos, em 1880 e, 10 anos mais tarde, acaba por tirar a própria vida, não sem antes contrariar a ideia exigida socialmente nesse tempo, diante da qual um homem deveria casar, sustentar-se e ter filhos.

Vincent Van Gogh

Albert Einstein, um dos maiores cientistas da História, apenas começou a manifestar sua fala, 3 anos após o nascimento. Nada disso o impediu de, anos à frente, ser o autor da Teoria da Relatividade e passar à posteridade. Em In a World of His Own: A Storybook About Albert Einstein – “Em um mundo próprio: a história de Albert Einstein”, em livre tradução –, obra da estudiosa autora Illana Katz, ela revela que o cientista alemão era bastante solitário, de poucos amigos e que não apreciava estar entre multidões. Além disso, segundo Katz, Einstein ficava muito tempo se aprofundando na física, deixando de lado as questões do dia a dia. Entretanto, no caso específico de Einstein, sua ligação com Asperger não é defendida por todos, havendo os que afirmam que esse grande homem de ciência se afastava das pessoas, devido a seu raciocínio, muito lento, para os padrões do gênio.

Recomendados para você

Comentários

+ Artigos relacionados