Colégio Web

Concordância com pronome relativo e expressões expletivas

Publicidade

Você já deve ter ouvido muita gente falar “não foi eu”. Acham que o “foi” vale para qualquer caso. Não é bem assim.
Para ilustrar essa questão o professor Pasquale busca referência na música “Foi Deus que fez você”, de Luiz Ramalho. 

“… Foi Deus que fez o céu… 
Foi Deus que fez você…
Foi Deus…” 

“Foi Deus que fez”. Porque “foi”? Porque Deus é 3ª pessoa, Deus é igual a “ele” e “ele foi”.
Agora, não é cabível dizer “Eu foi”. Logo, “não foi eu” está errado. O correto é “não fui eu”, “não fomos nós”.
O verbo que vem depois da palavra “que” também deve concordar com a palavra que vem antes. Portanto, “Fui eu que
fiz” ( eu fui, eu fiz),”Fomos nós que fizemos”, “Foram eles que fizeram”. 

Outra coisa que você não deve confundir é o caso da expressão expletiva “é que”, que é fixa. A cancão “Só nós dois”,
de Joaquim Pimentel, pode ilustrar muito bem. 

“ Só nós dois é que sabemos
o quanto nos queremos bem
Só nós dois é que sabemos
Só nós dois e mais ninguém…” 

A expressão “é que” é fixa. Nunca diga “São nessas horas que a gente percebe”. O correto é dizer “Nessas horas é que a
gente percebe” ou “É nessas horas que a gente percebe”.
“É que” é uma expressão de realce, fixa e fácil de ser percebida. Pode, também, ser eliminada. 

Veja os exemplos:

“Só nós dois é que sabemos” – “Só nós dois sabemos” “É nessas horas que a gente percebe” – Nessas horas a gente
percebe”. A expressão “é que”, expletiva, pode ser perfeitamente eliminada sem prejuízo da estrutura frasal.

Recomendados para você

Comentários

+ Artigos relacionados