Colégio Web

Sérgio Vieira de Mello

Publicidade

Diplomata brasileiro nascido na cidade do Rio de Janeiro, que, embora não tenha feito carreira no Itamaraty, trabalhou na ONU por quase 35 anos e tornou-se o brasileiro mais bem sucedido dentro da hierarquia da ONU, um grande administrador de conflitos, sempre sendo escalado para missões difíceis, principalmente a reconstrução de países devastados por guerras. Filho do embaixador Vieira de Mello e de Gilda dos Santos, 83 anos, estudou no Liceu Franco-Brasileiro onde obteve o bacharelado (1966).

Seguiu para Paris onde cursou Licence d’enseignement en philosophie, Faculté des Lettres, Université de Paris (1966-1969), Maitrise d’enseignement en philosophie, Faculté des Lettres, Université de Paris (1969-1970) e o Doctorat de Troisième Cycle en Philosophie, Université de Paris I, Panthéon-Sorbonne (1970-1974). Além do português e do francês, falava inglês, espanhol e italiano. Em Paris conheceu sua esposa, com quem teve dois filhos, Laurent e Adrian, que moram em Genebra e Paris, respectivamente. Ainda estudante foi editor-júnior das publicações do Alto Comissariado da ONU para Refugiados, em Genebra, Suíça (1969-1971), o conhecido ACNUR ou UNHCR. Ascendendo na hierarquia do Acnur, foi indicado para coordenar as operações de ajuda humanitária no Paquistão (1971-1972), Sudão (1973-1974), Chipre (1974-1975), Moçambique (1975-1977), Peru (1978-1980) e Líbano (1981-1983). Voltando à Genebra foi Deputy Head (1983-1985), Chefe de Gabinete da Secretaria do Alto Comissariado (1986-1987) e Diretor do Bureau Regional para Asia e Oceania (1988-1990), da UNHCR.

Como Diretor da Divisão de Relações Externas (1990-1993), UNHCR., coordenou as negociações multilaterais no conflito de Ruanda (1990-1991) e o êxodo de albaneses do país após a queda do comunismo (1991). Esteve como enviado especial do Alto Comissariado no Cambodja (991-1992). Foi enviado para a Bósnia-Herzegovina (1993), onde assumiu a chefia de assuntos civis das forças da ONU (1993-1994) que tentavam intervir no conflito iugoslavo. Tornou-se alto-comissário-assistente para Refugiados (1995-1996). Assistant Secretary-General da United Nations Assistant High Commissioner for Refugees (1996-1997), foi levado pelo secretário-geral Kofi Annan para Nova York (1998), onde lhe aguardava o cargo de subsecretário-geral para Assuntos Humanitários. Passou uma breve temporada na província de Kosovo (1999), então Iugoslávia, antes de receber a maior tarefa da sua carreira: o governo interino de Timor Leste, durante seu processo de independência (1999-2002).

Em um país devastado pelos tumultos que se seguiram à retirada indonésia daquela ex-colônia portuguesa, sua atuação foi vital para que aquele povo finalmente se tornasse independente (2002). Conhecido pela competência e inegável simpatia com que atuava em suas missões de alto risco, em setembro do mesmo ano ele foi nomeado para o Alto-Comissariado de Direitos Humanos, uma decisão muito elogiada pelas ONGs do setor. Por esses motivos, ele foi a primeira opção de Annan para assumir a missão no Iraque, depois da polêmica ação militar anglo-americana que derrubou Saddam Hussein. Infelizmente este talentoso brasileiro foi vítima do maior ataque a uma instalação da ONU da história, que o matou em Bagdá, juntamente com mais 19 pessoas, aos 55 anos completos, em 19 de agosto.

Recomendados para você

Comentários

+ Artigos relacionados