Colégio Web

O que é o Pancrácio?

Publicidade

Hoje em dia, com o fenômeno que é o UFC, artes marciais como o jiu-jítsu e o muay thai são famosas e têm muitos praticantes em academias do mundo todo, especialmente de países como o Brasil.

Só que o que muita gente com certeza não deve saber é que na Antiguidade já havia um tipo de arte marcial que era muito praticada e que também atraia pessoas para ver lutadores em disputa.

Estamos falando do Pancrácio, uma arte marcial antiga que era muito praticada entre os gregos e também entre os romanos, e que mitos atribuem que foi criada pelas mãos de heróis como Hercules e Teseu.

Origens

Pancrácio

Segundo os historiadores, esta antiga arte marcial chamada de Pancrácio nasceu da mistura de boxe clássico e de luta olímpica, que usa diversos golpes e técnicas de lutas importantes.

Socos, chutes, joelhadas, cotoveladas, cabeçadas, estrangulamentos, quedas, arremessos, derrubadas, agarramentos, torções, chaves, imobilizações e travamento de articulações, entre outras coisas.

Aparentemente tudo era permitido dentro do Pancrácio, exceto enfiar dedos nos olhos, arranhar, morder e atacar a região genital, sendo que a vitória só era consolidada quando um dos lutadores simplesmente não aguentava mais lutar e levantava o dedo para que o juiz desse o combate por encerrado.

Jogos Olímpicos

A fama desta luta, que é considerada por muitos especialistas como uma espécie de ancestral do moderno MMA, ficou ainda maior quando da sua primeira aparição nos Jogos Olímpicos de 648 a.C., que foi a 33ª olimpíada da era antiga.

Um dos maiores vencedores do Pancrácio foi o gigante Lygdamis, da cidade de Siracusa, que era capaz, segundo relatos, fazer a medição do estádio com seus próprios pés, num total de apenas 600 passos.

Pancrácio Grécia

Deutelidas, da Lacônia, Arichion da Phigaleia, Polydamas de Scotussa (que era capaz de matar leões e tigres com as mãos) e Antenor de Mileto foram alguns de seus maiores vencedores de todos os tempos.

Há relatos de que alguns deles eram capazes de matar feras com as próprias mãos (Polydamas) e de enfrentar homens armados com as mãos nuas, além de relatos que indicam que alguns lutadores eram capazes de parar carruagens em movimento com apenas seus braços.

A técnica foi esquecida com o passar dos anos, mas até hoje é lembrada por especialistas  por conta do fato de que pode ser considerada de fato uma técnica ancestral da maior parte das técnicas que hoje são vistas no MMA.

Recomendados para você

Comentários

+ Artigos relacionados