Colégio Web

Natureza bucólica e pastoril

1O bucolismo pertence ao movimento literário que compreende a produção de poesias pastoris. É uma forma literária que tem raízes na Grécia, com o poeta Virgílio e os Idílios de Teócrito de Siracusa. No bucólico, o ideal de vida é cantar a beleza da vida nos campos, casas dos pastores. Com ingênuos costumes e vida tranquila baseada no contato com a natureza não há referência ao modelo urbano.

Publicidade

Há amor, alegria e beleza na vida pastoril, mas nunca a inquietação da vida nas cidades. Na poesia pastoril, o personagem sai da cidade e se encontra no campo e também gosta de reviver o passado. O ambiente é quase ingênuo, pois não se admite corrupção e cenários sem paz. É uma utopia contraditoriamente vivida no passado.

Em termos imagéticos, há o pastor descansando debaixo das árvores com sua musa inspiradora e em tantos outros momentos do seu dia. Ele usa instrumentos musicais para declamar a boa ou má sorte com sua amada. Chora quando perde um amigo e tudo parece bastante fantasiado.

Na Idade Média, o bucolismo foi bastante aplaudido na poesia. O cristão acabava sendo bem servido do cenário campesino, pois Cristo era visto como o bom pastor e a humanidade representava o seu rebanho. Também na Idade Média, Boécio, Dante e Chaucer foram alguns dos representantes dessa escola literária. Era uma boa alegoria para o jardim do Éden.

Com a chegada do Renascimento, a poesia bucólica passou por adaptações mais satíricas e alegóricas. É o momento do pastor clássico ser comparado ao perfil do homem inglês.

Refúgio ao homem renascentista

2O ideal pastoril oferece aos renascentistas uma possibilidade de refúgio. O mundo utópico acaba sendo um contraponto às sociedades reais. É no campo que se pode ser criativo e ocioso. Com o desenvolvimento das cidades, a necessidade de nostalgia e vida rústica acaba sendo mais premente.

Com os ideais neoclássicos ganhando espaço e já anunciando o romantismo, o viver bucólico perde espaço. É como se já houvesse um gasto natural dessas convenções. A figura do pastor não foi necessariamente extinta, mas reaparece com outras roupagens dentro do herói romântico das novas escolas.

A literatura moderna aponta que o termo pastoril teve expansões. No clássico Some Versions of Pastoral (1935), William Empson vai defender que as criações pastoris são aquelas que contrastam vida complexa e ideal mais simples de compreender o mundo. Nesse caso, não apenas o pastor está enquadrado, mas até mesmo uma criança que satirize as gafes e deslizes da alta sociedade. Há críticos que classificam o bucólico e pastoril como toda obra que represente as fugas do cotidiano. Há, por fim, aqueles que associam tal escola aos espaços mais rústicos.

Recomendados para você

Comentários

+ Artigos relacionados